sexta-feira, 24 de abril de 2009

Banha da cobra quântica

Na viragem do século XIX nascia a física quântica, trazida por Einstein e Planck, com a hipótese arrojada e fora de senso comum de que a luz existe em quantidades bem definidas. Mais de um século decorrido, a física quântica está na moda e mesmo James Bond já se rendeu às maravilhas do marketing quântico. Uma recente reportagem televisiva começava com a seguinte afirmação: "tem aumentado o número de portugueses que recorrem à física quântica para melhorarem o bem-estar e a saúde". E prosseguia:

"Um analisador scanner e dois eléctrodos fazem o varrimento eléctrico intersticial. O nome é complicado, mas só graças a este sistema se pode fazer uma análise pormenorizada ao organismo. A medição é feita em apenas três minutos."
(...)
Um pequeno desequilíbrio pode evoluir para um grave problema de saúde como um tumor, a diabetes ou uma esclerose. Somos o que comemos e é partindo dessa premissa que quando falham os nutrientes o organismo perde a capacidade de reagir.
(...)
A física quântica aplicada à saúde é cada vez mais uma realidade em Portugal. Sinal dos tempos de uma sociedade cada vez mais stressante, mas também de uma nova forma de procurar o bem-estar do organismo."

É difícil encontrar algo que não seja um disparate. E nada disto tem a ver com física quântica. A física quântica tem a ver com níveis de energia dos electrões no átomo, incerteza na posição e velocidade de uma partícula, como de algum modo as partículas também se comportam como ondas. A alimentação tem a ver com a física quântica na medida em que os alimentos são feitos de átomos com electrões que se distribuem por vários níveis de energia. Ou que a origem da energia dos açúcares produzidos pelas plantas é um fotão que excita um electrão num átomo de magnésio de uma molécula de clorofila. Mas isto é tão útil em termos de nutrição como dizer que a física quântica se aplica à construção de barragens.

Um exemplo interessante é o dos transístores. Os transístores, cujo funcionamento é explicado pela física quântica, estão espalhados por todo o género de geringonças, inclusive nas máquinas de lavar. Faria algum sentido dizer que cada vez mais portugueses recorrem à física quântica para lavar melhor a roupa? Algo anedótico, na medida em que os portugueses na realidade o que usam para lavar a roupa é água e detergente.

A ideia da física quântica como uma coisa fixe para vender a banha da cobra não foi descoberta por estas reportagem (aliás secundada por outras).



Por exemplo, o popular documentário new age "What the bleep do we know" defende que a consciência influência a matéria. Um monge benze as moléculas de água e a rede semi-cristalina passa de desarrumada e feia para linda e arrumadinha. Isto, por causa da física quântica, claro. O documentário também defende que a meditação em massa pode reduzir as taxas de criminalidade violenta. Se for verdade, isto provavelmente significa que os criminosos eram as mesmas pessoas que estão agora a meditar.




A cultura científica não é hoje um dado adquirido. Por um lado a ciência é desvalorizada quando não interessa (aquecimento global, criacionismo), por outro a sua credibilidade é usurpada como arma de arremesso para vender curas e mezinhas que de científico não têm nada.

[Actualização 9/5/09: post sobre as charlatanices da saúde quântica e linguagem pseudocientífica envolvida por Carlos Oliveira no blog de astronomia astropt]

2 comentários:

augusto cardeal disse...

«A cultura científica não é hoje um dado adquirido.»

Deixa-me rir, antes que me esqueça...

Tanta coisa interessante (para vender) tu a tentares impingir banha da cobra (falo, em geral, do blogue, e não em particular sobre a «teoria quântica da banha»...

SPECTRE1961 disse...

Aqui no Brasil ..

Nem o marketing quantico ...

Poderia ser o fator de uma cultura, tão corrupta ...

Desculpe, mas o Zeitgeist nas terras brasileiras ...

Apontam sempre em direção ao outro lado do Atlantico ..

Aonde vocês, meus caríssimos amigos portugueses vivem !

De Gilberto Freire a Caetano Veloso ..

Todos os dedos apontam para Portugal ...

Estou em aqui, não para acusar ..

Mas, procuro um paradigma para a questão da corrupção endêmica, crônica e centenária do Brasil ..

Não me lembro de grandes casos de corrupção nas três ultimas décadas em vossas terras.

Pode me ajudar ?