quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Carlos Davin, o naturista português que é o verdadeiro autor da teoria da Evolução

(As extraordinárias coincidências biográficas de que o usurpador Charles Darwin tirou partido)

Carlos Davin nasceu (tal como Charles Darwin) a 12 de Fevereiro de 1809 no seio de uma família burguesa na ilha Terceira (Darwin em Shrewsbury e foi o Quinto filho). Davin entrou na faculdade de medicina, curso que nunca acabou, tornando-se em vez disso Testemunha de Jeová (Darwin desistiu de medicina e estudou para se tornar membro da Igreja Anglicana).
Davin fez-se um naturista competente, passando a maior parte dos tempos livres nas praias desertas, procurando evitar os olhares mirones e um pouco de sol. (Darwin era naturalista e passava os seus tempos livres no campo, a observar a fauna e a flora e as sucessões de fósseis). Davin reuniu uma colecção espantosa de tampas de refrigerantes (Darwin de escaravelhos) que classificou de um modo apaixonado. Nas suas viagens naturistas Davin conhece a arriba fóssil da Costa da Caparica, que o influenciou profundamente. Era também um exímio caçador de linces ibéricos, que apreciava com limão, um pouco de alho e conquilhas da Ria Formosa, cujas cascas se dedica a observar. (Darwin conhece a fauna e a flora de Cabo Verde, Brasil, Terra do Fogo, Galápagos, Taiti, Nova Zelândia, Austrália). É a estudar as cabras do ilhéu das Cabras na Terceira, apenas com salsa e coentros, que Davin põe pela primeira vez em causa o principio da estabilidade das espécies, tomando nota na toalha de mesa de um tasco em Angra (Darwin passa pela Terceira exactamente na mesma altura e encontra a anotação feita por Davin. Estrategicamente escreve no seu diário que não encontrou nada digno de nota nas ilhas açorianas).
Davin metia sucessivas baixas por doença e vivia atormentado com complicações gástricas devido a excessos alimentares, que faziam parte do seu estudo das espécies comestíveis (Darwin era hipocondríaco e vivia atormentado pelas contradições da evolução das espécies com as suas crenças religiosas). Demorou cerca de 20 anos a escrever o "Transformismo da bicharada", sua obra maior, infelizmente escrita em dialecto de Rabo de Peixe (Darwin escreveu a Origem das Espécies, exclusivamente com base nos rascunhos da toalha de mesa de Davin, em inglês).

David Marçal
(do Inimigo Público de 12 de Fevereiro de 2009)

3 comentários:

Veruska disse...

Assim que terminar um livro do Philip Roth tinha programado ler a autobiografia do Darwin mas estou a ver que a do Davin deve ser muito mais interessante! :)

David Marçal disse...

A autobiografia do Davin tem a particularidade de não ter sido escrita pelo próprio. A tarefa foi delegada a um individuo que não o conhecia de lado nenhum e que dele nunca tinha ouvido falar, de modo a erradicar qualquer vestígio de parcialidade, contaminante frequente das autobiografias. Trata-se assim de uma obra rigorosa e séria, que não aborda no entanto a temática da vida de Davin.

picuinhas disse...

Deve entao ser uma ~*auto*bio*grafia...